Apoie o Blog!

terça-feira, 16 de novembro de 2021

MASTER URSULA AND HER STUDENT HELENA RIBEIRO MADE HISTORY AGAIN.

...Eu cheguei ao restaurante do hotel e fui recebido carinhosamente pelos membros da Família Moy Lin Mah, liderada pela minha Si Suk Ursula Lima. Segurava desajeitadamente e apressadamente, minha mochila que sempre levo comigo. Meu jeito atrapalhado não combinava com meu traje formal para o evento. De repente, avistei membros da minha Família Kung Fu que após me acenarem com a cabeça, me apontaram um assento reservado para mim. Agradeci e sentei-me. Percebi então que a Cerimonia já estava quase no final, mas algo me chamou a atenção...
Si Suk Ursula, como já era de se esperar, sentava-se na cadeira reservada a ela quando na presença do seu marido, o Sr Ricardo Lopes, a quem se referem por “Sing Sang”.  Porém, de frente para eles e de costas para o público, uma pessoa sentava-se numa cadeira especial para o promovente com a cabeça por vezes baixa, por vezes na direção da Testemunha Honorável que lhe falava. A testemunha honroável era meu Si Suk Ricardo Queiroz tecendo suas palavras sempre assertivas. Palavras estas, que costumam me fazer pensar sobre como alguém consegue captar tanta informação e condensá-las em palavras tão personalizadas... É fantástico!
O que me tocou porém, não era a cena nem o que estava sendo dito, desta vez. O que me tocou foi o que senti: Uma força muito grande emanando daquela pessoa sentada ali no meio ouvindo aquelas palavras... Era  Helena Ribeiro. Discípula de Mestra Ursula que estava sendo promovida naquele dia ao penúltimo Domínio do Sistema Ving Tsun. E de onde eu estava, não podia ver nenhuma das expressões que a Helena fazia naquele momento. Mas sentia sua presença... Ocupando toda a sala... Como mágica...- “...Me chamo Helena Carneiro Ribeiro, sou praticante e Tutora Qualificada do Núcleo Copacabana da Moy Yat Ving Tsun Martial Intelligence, discípula "Dai Ji" (12ª GVT) de Mestra Ursula Lima - Líder da Família Moy Lin Mah, tendo recebido na ocasião de meu Baai Si o nome Kung Fu "Moy Gaap Lin"...” [Sept. 2017 - Mo Gun All Stars]


...I arrived at the hotel restaurant and was warmly welcomed by the members of the Moy Lin Mah Family, led by my Si Suk Ursula Lima. I was clutching, awkwardly and hastily, my backpack that I always carry with me. My clumsy manner didn't match my formal attire for the event. Suddenly, I saw members of my Kung Fu Family who after nodding at me, pointed me to a seat reserved for me. I thanked them and sat down. I realized then that the Ceremony was almost over, but something caught my attention...

Si Suk Ursula, as was to be expected, sat in the chair reserved for her when in the presence of her husband, Mr Ricardo Lopes, referred to as “Sing Sang”. However, facing them and with her back to the audience, a person sat in a special spot with her head sometimes bowed, sometimes in the direction of the Honorable Witness who was speaking to her. It was my Si Suk Ricardo Queiroz weaving his always assertive words. That used to make me think about how someone manages to capture so much information and condense it into such personalized words... It's fantastic!
What struck me though, wasn't the scene or what was being said this time. What touched me was what I felt: A very strong force emanating from that person sitting there in the middle listening to those words... She is Helena Ribeiro. Disciple of Master Ursula who was being promoted that day to the Domain of the Ving Tsun System Luk Dim Bun Gwan. And from where I was, I couldn't see any of the expressions Helena was making at that moment. But I felt her presence... Occupying the whole room... Like magic...- “... My name is Helena Carneiro Ribeiro, I am a practitioner and Qualified Tutor of the Copacabana School of Moy Yat Ving Tsun Martial Intelligence, disciple "Dai Ji " (12th GVT) of Master Ursula Lima - Leader of the Moy Lin Mah Family, having received on the occasion of my Baai Si the Kung Fu name "Moy Gaap Lin"...” [Sept. 2017 - Mo Gun All Stars]



[Helena sentada no lugar reservado especialmente para ela naquele dia]
[Helena on the spot specially reserved to her that day]

 “...Ao longo desse tempo, tiveram momentos bons e outros em que eu me encontrava numa situação difícil ... Em todos eles, lá estava Si Fu. Por outro lado, penso que eu muito provavelmente, não estive presente da mesma forma, sempre que Si Fu precisou. É difícil perceber o quanto uma pessoa se dedica por nós e cuida para que estejamos bem, até que a gente também assuma esse papel. Hoje, acredito que eu tenha um pouco mais de maturidade para perceber certas coisas e o Kung Fu me beneficia muito nesse processo. Eu posso falar de uma ocasião que foi muito marcante para mim e que tem relação com esse sentimento ... Era uma quarta-feira, um dia cheio no Mo Gun, e eu tinha acabado de chegar para tutorizar uma aula do Ving Tsun Experience. Nesse dia, Si Fu já estava lá desde cedo e quando eu cheguei, fui direto para a sua sala. Esperava cumprimentar Si Fu e então correr para trocar de camisa, seguindo para as atividades do dia. Mas quando entrei, vi Si Fu na frente do computador com uma expressão séria e os olhos vermelhos, ela pediu que eu entrasse e fechasse a porta. Si Fu compartilhou comigo a respeito de uma notícia que acabara de receber e estava muito preocupada. Nesse momento, apesar da notícia, minha primeira reação foi um choque ao ver Si Fu fragilizada. Eu não sabia o que fazer ou o que dizer. Só pude ouvir o que Si Fu dizia, como uma parede e então, Si Fu levantou e disse que precisávamos cuidar das aulas do Experience. Eu nem lembrava mais da hora ou da aula que haveria. Ao sair da sala, Si Fu mudou de expressão e voltou sua atenção para o que era necessário naquele momento. As atividades no Mo Gun seguiram, conduzidas por Si Fu... O que queria dizer é que, quando penso em Si Fu e no papel que ela exerce na Família Kung Fu, me pergunto como posso contribuir com esse processo, para que nós da Família Moy Lin Mah, possamos estar cada vez mais, cuidando melhor de nossa Si Fu, assim como ela o faz conosco...”  [Sept. 2017 - Mo Gun All Stars]

A presença de Helena e tudo o que representava ela estar sentada ali naquele momento, arrancou algumas lágrimas de sua Si Fu, e claro.. Dela também. 
Desde a fundação do Sistema Ving Tsun, Helena é a primeira discípula a receber acesso ao Domínio Luk Dim Bun Gwaan sob a tutela de uma Si Fu na Linhagem Moy Yat na América Latina. Lembro claramente da Helena no início de sua jornada, sempre presente, mas nem tão aparente em meio a multidão. Mais tarde, ela saia de seu trabalho e se dirigia ao Mo Gun de sua Família Kung Fu. Agora ela já tinha responsabilidades. Naqueles tempos eu costumava estar por lá com mais frequencia. As vezes abria a porta para ela, e lembro dela enrolando um fone de ouvido com mal contato e a testa brilhando por causa do calor... Mas naquele momento, em que algo era dito de Si Fu para discípula, sem nenhuma palavra ser dita. Lembrei--me do Si Gung, quando ele fala em “Transformação silenciosa”. Afinal, parecia que eu estava sentindo a presença de alguém completamente diferente. E de alguma maneira, todos intuíram isso... E talvez, também resida nesse sentimento,  legitimidade do acesso de Helena ao Luk Dim Bun Gwan. 

“...Throughout that time, there were good times and others when I found myself in a difficult situation... In all of them, there was Si Fu. On the other hand, I think I most likely haven't been present in the same way whenever Si Fu needed it. It's hard to see how much a person is dedicated to us and takes care that we are well, until we also assume this role. Today, I believe that I have a little more maturity to understand certain things and Kung Fu benefits me a lot in this process. I can talk about an occasion that was very important to me and that is related to this feeling… It was a Wednesday, a full day at Mo Gun, and I had just arrived to tutor a Ving Tsun Experience class. That day, Si Fu was already there early on and when I arrived, I went straight to her office.I hoped to say hello to Si Fu and then run off to change my shirt, heading for the day's activities. But when I entered, I saw Si Fu in front of the computer with a serious expression and red eyes, she asked me to come in and close the door. Si Fu shared with me about a news she had just received and she was very worried. At that moment, despite the news, my first reaction was a shock to see Si Fu weakened. I didn't know what to do or what to say. I could only hear what Si Fu was saying, like a wall, and then Si Fu got up and said we needed to take care of the Experience classes. I couldn't even remember what time or what class there would be. As she left the room, Si Fu changed her expression and turned her attention to what was needed at that moment. The activities at Mo Gun continued, led by Si Fu... What I meant is that when I think about Si Fu and the role she plays in the Kung Fu Family, I wonder how I can contribute to this process, so that we give Moy Lin Mah Family, let us be more and more, taking better care of our Si Fu, just as she does us...” [Sept. 2017 - Mo Gun All Stars]

The presence of Helena and everything that represented her sitting there at that moment, drew some tears from her Si Fu, and of course .. From her too.
Since the founding of the Ving Tsun System, Helena is the first female disciple to be granted access to the Luk Dim Bun Gwaan Domain under the tutelage of a female Si Fu in the Moy Yat Lineage in Latin America. I clearly remember Helena at the beginning of her journey, always present but not so apparent in the crowd. She later after job , headed to her Kung Fu Family's Mo Gun. Now she had responsibilities. In those days I used to be there more often. Sometimes I opened the door for her, and I remember her putting a bad earphone in place and her forehead glowing from the heat... But at that moment, when something was said from Si Fu to disciple, without a word being said . I remembered Si Gung, when he talks about “Silent Transformation”. After all, it felt like I was feeling the presence of someone completely different. And somehow, everyone intuited that... And maybe, it also resides in this feeling, legitimacy of Helena's access to Luk Dim Bun Gwan.

“...O Baai Si com minha Si Fu foi um processo muito natural. Tiveram muitos esforços reunidos para a sua realização, ainda mais por se tratar da primeira cerimônia de Baai Si da Família Moy Lin Mah, mas ao mesmo tempo, foi relativamente simples. Do meu ponto de vista, acho que podemos comparar a Cerimônia de Hoi Kuen com o momento em que você convida a pessoa que gosta para namorar, é quando você quer ter um compromisso sério com aquela pessoa e se sente a vontade para se abrir de verdade com ela, há uma série de desafios a serem encarados a partir daí, inclusive dentro do convívio que aumenta e que vai se estender também aos familiares de cada um. Já o Baai Si, seria como o casamento, quando ambas as partes desejam firmar aquele compromisso dia após dia, levando em consideração os altos e baixos, as incertezas e os desafios da vida, dispostos a seguir juntos cuidando um do outro e das gerações seguintes. Vejo um pouco por aí, (risos). O Kung Fu me mostrou que relacionar-se com o outro é uma capacidade humana que deve ser desenvolvida e trabalhada constantemente, não é fácil. Mas é fundamental para o nosso ser. Acredito que o Baai Si hoje, dentro da nossa cultura, talvez seja algo um pouco difícil de assimilar. Eu o entendo como um compromisso firmado entre Mestre e Discípulo, um para com o outro, seus familiares e todas as gerações que vieram antes e as que ainda estão por vir. Assim é a minha relação com Si Fu...”  [Sept. 2017 - Mo Gun All Stars]

Muitos fizeram referencia a execução de Helena do que conhecemos por “Da Hung Jong”. Até mesmo a co-liderança da Família Moy Lin Mah, o senhor Ricardo Lopes a parabenizou por isso. Eu cheguei após esse momento. Porém, lembro bem de quando ela teve acesso ao Domínio Mui Fa Jong alguns anos antes. Ela estava prestes a se mudar para Portugal e toda a sua Família Kung Fu estava lá para festejá-la, assim como alguns de seus familiares. E talvez graças a um esforço conjunto de Mestra e Discípula entre Helena e sua Si Fu, ela conseguiu não só “seguir junto” com sua Si Fu e Família Kung Fu, como também se fazer presente para pessoas queridas e importantes em sua vida. Então ela pode não só estar com seus familiares em momentos difíceis durante essa trajetória, como também manter a sintonia com seu companheiro Raphael, ao ponto de se casarem como bem disse sua Si Fu durante a Cerimonia. Então, foi como se a Helena estivesse conseguindo o nível de excelência que sua Si Fu consegue ao ser extremamente presente para seus alunos mas também para sua filha, marido e demais familiares. 

“...Baai Si with my Si Fu was a very natural process. There was a lot of concerted effort for its realization, especially since it was the first Baai Si ceremony of the Moy Lin Mah Family, but at the same time, it was relatively simple. From my point of view, I think we can compare the Hoi Kuen Ceremony to the moment when you invite the person you like to date, it's when you want to have a serious commitment to that person and feel free to really open up. with it, there are a series of challenges to be faced from then on, including within the growing relationship that will also extend to the family members of each one. Baai Si, on the other hand, would be like marriage, when both parties want to make that commitment day after day, taking into account the ups and downs, the uncertainties and the challenges of life, willing to go on together taking care of each other and of the following generations. . I see a little out there, (laughs). Kung Fu showed me that relating to others is a human capacity that must be constantly developed and worked on, it is not easy. But it is fundamental to our being. I believe that Baai Si today, within our culture, is perhaps something a little difficult to assimilate. I understand it as a commitment made between Master and Disciple, towards each other, their families and all the generations that came before and those that are yet to come. That's my relationship with Si Fu...” [Sept. 2017 - Mo Gun All Stars]

Many referred to Helena's perfomance of what we know as “Da Hung Jong”. Even the co-leadership of the Moy Lin Mah Family, Mr. Ricardo Lopes congratulated her for that. I arrived after that moment. However, I remember well when she had access to the Mui Fa Jong Domain a few years earlier. She was about to move to Portugal and her entire Kung Fu Family was there to celebrate her, as well as some of her family members. And perhaps thanks to a joint effort of Master and Disciple between Helena and her Si Fu, she managed not only to "go along" with her Si Fu and Kung Fu Family, but also to be present in the lives of dear and important people in her life . So she can not only be with her family in difficult moments during this trajectory, but also keep in tune with her partner Raphael, to the point of getting married, as her Si Fu said during the Ceremony. So, it was as if Helena was achieving the level of excellence that her Si Fu achieves by being extremely present to her students but also to her daughter, husband and other family members.

 Na condição de Mestre, eu sempre sou convidado a sentar-me ao lado das demais lideranças presentes neste tipo de evento, por ocasião da foto oficial que tiramos juntando todos os presentes. Além das lideranças, dignitários e familiares muitas vezes sentam-se para o registro. 
Caminhei em direção aos lugares. Algumas pessoas já estavam posicionadas atrás das cadeiras para a foto oficial do evento. Achei que seria um bom momento para cumprimentar Helena. Apertamos as mãos e eu lhe dei parabéns. Não tinha muito a ser dito. Afinal , o que somos capazes de colocar em palavras, para alguém que acabou de fazer história ?
Até onde Helena vai chegar?
Sabe, é como na pintura chinesa: Assim como nas artes marciais, você precisa estar atento a propensão de tudo que envolverá a pintura. Por exemplo: O pincel tem um potencial para fazer o traço e o traço apresenta potencial para o pincel. Se você por acaso quer fazer um traço fino, você começa pesando a mão com um traço grosso até que ele afine naturalmente. E tudo isso, precisa ser constantemente antecipado a cada pincelada, pois a arte consiste também, em saber conectar a sequência de pinceladas necessárias para a obra, sempre antecipando o próximo movimento.
Saberemos daqui a pouco tempo, o quão Helena foi capaz de conectar cada traço da obra que está pintando no mundo do Ving Tsun...

As a Master, I am always invited to sit beside the other leaders present at this type of event, on the occasion of the official photo that we took bringing together all those present. In addition to the leaders, dignitaries and family members often sit down to take the photo.
I walked towards the chairs. Some people were already positioned behind the chairs for the official photo of the event. I thought it would be a good time to say hello to Helena. We shook hands and I congratulated her. There wasn't much to say. After all, what are we capable of putting into words, for someone who has just made history?
How far will Helena go?
You know, it's like Chinese painting: Just like in martial arts, you need to be aware of the propensity of everything that will involve painting. For example: The brush has a potential to make the stroke and the stroke has potential for the brush. If you happen to want to make a fine stroke, you start by weighing your hand with a thick stroke until it thins naturally. And all of this needs to be constantly anticipated with each brushstroke, because art is also about knowing how to connect the sequence of brushstrokes necessary for the work, always anticipating the next move.
We will know in a short time, how much Helena was able to connect every stroke of the work she is painting in the world of Ving Tsun...


The Disciple of Master Julio Camacho
Thiago Pereira 'Moy Fat Lei'
moyfatlei.myvt@gmail.com

quarta-feira, 3 de novembro de 2021

Release of the book “Martiality” by 3 Ving Tsun Senior Masters in Rio

 



by
Thiago Pereira
[Writer and Martial Artist]

Numa tarde de Domingo chuvosa, me dirigi ao Copacabana Mar Hotel na Zona Sul do Rio de Janeiro. Um dos organizadores do evento, e aluno de um dos autores do livro chamado Vitor Antônio, me sugeriu que descesse na estação de metro Cardeal Arco Verde em Copacabana. Segui a pé e logo depois estava diante no saguão de entrada. Não foi necessário terminar a frase para que o gerente do hotel soubesse para onde estava indo. Segurando minha mochila, fui recebido por outras pessoas da organização já na porta do elevador. Estava tudo muito bem cuidado para a ocasião. Pois naquele dia, uma das alunas de Mestra Ursula receberia uma promoção inédita. Além disso, era a celebração do aniversário da própria Mestra. O que fez com que seus alunos e ex-alunos estivessem presentes. Porém, o que pude perceber, é que a grande expectativa estava direcionada ao lançamento do primeiro livro de uma coleção de livros escritos não só pela Mestra Ursula Lima, como também por outros dois renomados Mestres Seniores de Ving Tsun Kung Fu: Mestre Julio Camacho e Ricardo Queiroz. 

On a rainy Sunday afternoon, I went to the Copacabana Mar Hotel in the South Zone of Rio de Janeiro. One of the organizers of the event, and a student of one of the authors of the book called Vitor Antônio, suggested that I get off at the Cardeal Arco Verde metro station in Copacabana. I continued on foot and soon after was in front of the entrance hall. It wasn't necessary to finish the sentence for the hotel manager to know where I was going. Holding my backpack, I was greeted by other people from the organization already at the elevator door. Everything was very well taken care of for the occasion. Because that day, one of Master Ursula's students would receive an unprecedented promotion. Also, it was Master Ursula's own birthday celebration. What made her students and former students present. However, what I could see is that the great expectation was directed towards the release of the first book of a collection of nine books written not only by Master Ursula Lima, but also by two other renowned Senior Masters of Ving Tsun Kung Fu: Master Julio Camacho and Ricardo Queiroz.


E finalmente, entre rostos conhecidos e outros nem tanto, o momento do lançamento do livro havia chegado. Os presentes sentavam-se para ouvir os autores e posteriormente receberem seu autógrafo. 
Fui convidado para sentar na primeira fileira, e ambos os autores estavam muito felizes. Porém, era notada a ausência do Mestre Senior Julio Camacho. Então, ele que vive na Flórida com sua esposa, apareceu num grande telão ao lado da mesa principal. E uma interação muito especial entre os três aconteceu, enquanto os mesmos explicavam um pouco sobre como se deu o projeto e o que estava por vir...

And finally, among familiar faces and less so, the time for the book's launch had arrived. Those present sat down to listen to the authors and later receive their autograph.
I was invited to sit in the front row, and both authors were very happy. However, the absence of Senior Master Julio Camacho was noted. Then, he who lives in Florida with his wife, appeared on a big screen beside the main table. And a very special interaction between the three of them took place, as they explained a little about how the project came about and what was to come...



[Mestres Julio Camacho e Ricardo Queiroz respondem perguntas dos presentes]

[Masters Julio Camacho and Ricardo Queiroz answering questions from the audience]


Os autores explicaram que todo o processo até que o livro chegasse as mãos dos ávidos interessados, levou apenas um mês. Essa capacidade de realização impressionante, exemplifica bem do que esse primeiro livro da coleção se trata :“Marcialidade”. 
A proposta dos autores foi tratar do tema de uma maneira aprofundada, porém de maneira com que qualquer pessoa possa perceber como esse conceito presentes nas artes marciais, pode ser usado para uma melhor qualidade de vida. E tudo isso, sem fotos de técnicas, mas através de uma discussão entre três pessoas com características tão diferentes.

The authors explained that the entire process until the book reached the hands of the audience took only a month. This impressive capacity for achievement exemplifies what this first book in the collection is all about: “Martiality”.
The authors' proposal was to deal with the theme in a deeper way, but in a way that anyone can understand how this concept present in martial arts can be used for a better quality of life. And all this, without photos of techniques, but through a discussion between three people with such different characteristics.


Um ponto importante levantado pelos autores durante esse painel do último Domingo, é que as palavras escritas no livro, são sim oriundas de saberes distintos dos quais os três são possuidores. Porém, o principal ponto do que é exposto nas linhas de cada página, é que aquilo em que acreditam vem de uma experiência nas artes marciais que somada dá mais de um século.

An important point raised by the authors during this last Sunday panel is that the words written in the book do come from distinct knowledge of which the three are possessors. However, the main point of what is exposed in the lines of each page, is that what they believe comes from an experience in the martial arts that added up to more than a century.


Grão-Mestre Leo Imamura, mentor dos três Mestres e autores, e que tinha acabado de passar por uma cirurgia. Fez questão de mandar um vídeo com uma mensagem através da qual finalizo o artigo com a transcrição da mesma, que tão bem representam a importância desta obra :“...Fico muito feliz pela iniciativa deles de trazer para o público em geral, todo esse conhecimento específico e importantíssimo para os dias de hoje, que é a questão do sentido amplo de Kung Fu. E eu tenho certeza de que essa obra será de grande relevancia não só para os praticantes de Kung Fu, mas também para todos aqueles que estão interessados em uma visão diferenciada, sobre aquilo que nós chamamos de viver a nossa própria vida...”

Grand Master Leo Imamura, mentor of the three Masters and authors, and who had just undergone surgery. He made a point of sending a video with a message through which I end the article with the transcript, which so well represents the importance of this work:.: “...I'm very happy for their initiative to bring to the general public all this specific and very important knowledge for nowadays, which is the question of the broad sense of Kung Fu. And I'm sure that this work will be of great relevance not only for Kung Fu practitioners, but also for all those who are interested in a different vision, about what we call living our own life...”

Caso se interesse em adquirir um exemplar. Entre em contato pelo email moyfatlei.myvt@gmail.com
If you are interested in purchasing a copy. Contact me by email moyfatlei.myvt@gmail.com

quarta-feira, 27 de outubro de 2021

THE MOTION MEDITATION: AN ESSAY ON BAAT JAAM DO [八斬刀]


Existe uma história que ouvi do Si Fu certa vez: Um grupo de monges budistas fazia uma oração durante a noite diante de uma estátua de buda feita de madeira. Com o passar das horas, o vento frio aumentava. O monge mais antigo ateou fogo na estátua, formando uma fogueira e aquecendo os monges do frio. 
Ao ouvir essa história, entendi que ela se tratava de trabalharmos não ter apego as coisas. A estátua estava servindo a um propósito, porém assim que a circunstancia mudou, seu uso foi ajustado. Isso me lembrou do ideograma Nim [念] como em [Siu Nim Tau]. Pois sempre interpretei o Nim[念] como “Manter a mente no presente” ou ainda “Manter o coração atualizado”.
Mais tarde, ouvi uma outra história, na qual um monge mais velho e um mais novo caminhavam por uma estrada dentre campos de arrozais quando começou a cair um forte temporal. Sua ordem monástica não lhes permitia ter nenhum tipo de contato físico com mulheres. Porém quando o monge mais velho viu uma menina sem conseguir atravessar um grande lamaçal, ofereceu a ela suas costas, e ajudou ela a atravessar lhe carregando. O monge mais novo ficou estarrecido. A menina então desceu e agradeceu ao monge mais velho. Ambos os monges então seguiram seu caminho. Alguns quilômetros a frente, o monge mais novo finalmente questiona:  “O senhor sabia que não podemos tocar em mulheres, mas mesmo assim  a carregou! Por que?” - O monge mais velho apenas respondeu:  “ De fato eu a carreguei, mas a devolvi ao chão logo em seguida. Você por outro lado, continua carregando ela até agora...” - O monge mais novo percebeu seu erro e se calou. Isso para mim, corresponde ao ideograma Nim [念] enquanto “Manter o coração atualizado”.

There is a story I heard from Si Fu once: A group of Buddhist monks prayed at night in front of a wooden Buddha statue. As the hours passed, the cold wind increased. The oldest monk set fire to the statue, building a fire and warming the monks from the cold.
Upon hearing this story, I understood that it was about working not to be attached to things. The statue was serving a purpose, but as the circumstances changed, its use was adjusted. It reminded me of the character Nim [念] as in [Siu Nim Tau]. Because I always interpreted Nim[念] as “Keep the mind in the present” or even “Keep the heart refreshed”.
Later, I heard another story, in which an older and a younger monk were walking along a road through rice fields when a heavy storm began to fall. Their monastic order did not allow them to have any kind of physical contact with women. But when the eldest monk saw a little girl unable to cross a great mud, he offered her his back, and helped her across by carrying her. The younger monk was appalled. The girl then  thanked the older monk. Both monks then went on their way. A few kilometers ahead, the younger monk finally questions: “You knew we can't touch women, but you carried her anyway! Why?" - The eldest monk just replied: “In fact I carried her, but I returned her to the ground right away. You, on the other hand, continue carrying her until now...” - The younger monk realized his mistake and was silent. This, for me, corresponds to the ideogram Nim [念] as “Keep your heart refreshed”.

Comecei a praticar  Baat Jaam Do  [八斬刀] em Julho de 2008. Naqueles tempos, não sabia que o Do 刀[ou “facas”] era um par de facas que tinham um design como se uma única faca tivesse sido dividida ao meio. Alguns anos depois, meu Si Fu escreveu em um guardanapos para mim, enquanto tomávamos sopa -“Duas facas, um movimento”.  Então de repente é como se ao mover uma faca, a outra precisasse fazer um movimento complementar correspondente ao da primeira. E isso sempre foi muito difícil... Percebi com o tempo, que focava todas as minhas energias apenas em uma das mãos, “ligando” a outra, apenas quando a ação dela era evidente. Isso começou a se manifestar no manejo das facas, pois não conseguia manter a mente em ambas simultaneamente. Por “mente” me refiro ao ideograma de “coração”[Sam 心] já que ele também serve para “mente”. Então é como se não conseguisse estar com o “coração”[Sam 心] aonde deveria. E por conta dos movimentos de uma sequencia serem engendrados de maneira que o anterior promova o seguinte, você não tem tempo de se lamentar... Ou você está presente ou não. Meu Si Fu chamou isso certa vez de “meditação em movimento”.

I started practicing Baat Jaam Do [八斬刀] in July 2008. Back then, I didn't know that Do 刀[or “knives”] was a pair of knives that had a design as if a single knife had been split in half . A few years later, my Si Fu wrote on a napkin to me while we were having soup - "Two Knives, One Move." So suddenly it's as if when moving one knife, the other needed to make a complementary movement corresponding to the first one. And this was always very difficult... I realized over time, that I focused all my energies on just one hand, “turning on” the other, only when its action was evident. This began to manifest itself in the handling of the knives, as I couldn't keep my mind on both simultaneously. By “mind” I mean the ideogram for “heart” [Sam 心] as it also serves for “mind”. So it's like I can't get the “heart” [Sam 心] where it should. And because the movements of a sequence are engendered in a way that the previous one promotes the next, you don't have time to complain... You're either present or not. My Si Fu once called it "meditation in motion."

Com isso, não estou dizendo que não possua a habilidade de me expressar com as facas. Acontece que existem outros níveis mais profundos de entendimento, que gostaria de acessar através dos dispositivos corporais. Por isso, uma simples prática pode ser devastadora quando não conseguimos a cada movimento, “Manter o coração atualizado”. Como se isso não bastasse, diferente do boneco de madeira e do bastão, sendo as facas muito mais sujeitas a seguir a grosseria de um movimento pouco refinado. Me mostra sempre o quanto ainda coloco um excesso de vontade nos movimentos. O boneco de madeira fica preso a parede, o bastão é grande e pesado... Mas as facas, são mais fáceis de serem desrespeitadas. Portanto, se você não criar a tendência do movimento adequadamente ao apontar as facas e seguir sua linha de corte com potencial de perfurar. Você poderá estar fazendo apenas um movimento “Vazio”. E ao final de tudo, é quando você pode correr o risco de ficar apegado ao erro, e assim como o monge mais novo na história da chuva que contei no início do texto. Ficar preso ao que já foi... 

By that, I'm not saying I don't have the ability to express myself with knives. It turns out that there are other deeper levels of understanding that I would like to access through bodily devices. That's why a simple practice can be devastating when we don't get every move, “Keep your heart  refreshed”. As if that weren't enough, unlike the wooden dummy and the long pole, knives are much more likely to follow the unrefined movements. Always show me how much I still put an excess of will into the movements. The wooden dummy is attached to the wall, the long pole is big and heavy... But knives are easier to be disrespected. Therefore, if you do not properly bias the movement by aiming the knives and following its cutting line with the potential to pierce. You may only be making an "Empty" move. And at the end of it all, when you can run the risk of becoming attached to error, and just like the youngest monk in the story of the rain I told you about at the beginning of the article: Getting stuck with what has been...



The Disciple of Master Julio Camacho
Thiago Pereira “Moy Fat Lei”
moyfatlei.myvt@gmail.com

sexta-feira, 22 de outubro de 2021

NEW VING TSUN BOOK TO BE RELEASED THIS MONTH


By 
Thiago Pereira
[writer and kung fu master]
moyfatlei.myvt@gmail.com


Afinal, não é uma das coisas mais divertidas grifar linhas importantes e fazer anotações ao lado de algum parágrafo, de um de seus livros favoritos? Para mim éDesde os meus 16 anos de idade, desenvolvi o hobby de passar um tempo em alguma livraria, sempre que possível. Fico vendo os lançamentos e imaginando se teria tempo de ler, mas geralmente eu acabo comprando alguma biografia. Isso acontece, porque eu vivo no mundo das artes marciais desde os seis anos de idade. E quando aos 15 iniciei minha jornada no Ving Tsun Kung Fu, não conseguia achar nenhuma literatura a respeito que me permitisse estender as experiências que vivia durante as práticas. É como quando você vive um momento especial, e você busca uma música que te leve de volta até lá... Você não quer que a experiência se esgote... 
Então, naqueles tempos de altas aventuras, eu consegui achar “O Zen nas Artes Marciais”. Um verdadeiro clássico dos clássicos das artes marciais do autor Joe Hyams. E estava bem ali! Esquecido em uma prateleira da antiga loja FNAC. Mais tarde, comprei todos os livros de Aikido que eram lançados. Porém, nenhum deles falava diretamente de Ving Tsun, ou me remetia verdadeiramente as experiências que vivia no Mo Gun [forma que é chamado o local de prática]. Por isso, me restaram as biografias, principalmente as de atletas como Andre Agassi, Maria Sharapova, e tantos outros... Eu me via nesses atletas, que vivem uma vida dedicada e de alta performance, muito diferente da maioria dos cidadãos. Pessoas que mergulhavam em experiências por vezes com altas cargas de estresse, sempre em busca da excelência... 
Finalmente, isso muda a partir de agora...

After all, isn't it one of the most fun things to highlight important lines and jot down notes next to a paragraph from one of your favorite books? For me it is! Since I was 16 years old, I have developed the hobby of spending time in a bookstore whenever possible. I keep looking at the releases and wondering if I would have time to read them, but usually I end up buying some biography. This is because I have been living in the martial arts world since I was six years old. And when at age of 15 I started my journey in Ving Tsun Kung Fu, I couldn't find any literature about it that would allow me to extend the experiences I lived during the practices. It's like when you live a special moment, and you look for a song that takes you back there... You don't want the experience to run out...
So, in those times of high adventure, I managed to find “Zen in Martial Arts”. A true classic of the martial arts  by author Joe Hyams. And it was right there! Forgotten on a shelf of the former FNAC store. Later, I bought every Aikido book that was released. However, none of them spoke directly of Ving Tsun, or actually referred me to the experiences I was living in Mo Gun [form what is called the practice place]. That's why I was left with the biographies, mainly those of athletes like Andre Agassi, Maria Sharapova, and so many others... I saw these athletes, who live a dedicated and high-performance life, very different from most citizens, something about me. People immersed themselves in experiences sometimes with high loads of stress, always in search of excellence...
Finally, that changes from now on...




Três dos maiores Mestres de Ving Tsun Kung Fu do mundo, começam a lançar neste mês de Outubro, uma coleção de 9 volumes falando sobre os fundamentos do Kung Fu! 
Motivados por compartilhar seu conhecimento de três décadas em artes marciais, com leitores de todo o Brasil. Os Mestres Seniores Julio Camacho, Ricardo Queiroz e Ursula Lima, se unem em um projeto inédito sobre o tema. 
Todos os três Mestres Seniores, são descendentes da Linhagem Moy Yat no Brasil, sob a tutela de Grão-Mestre Leo Imamura. Esta Linhagem de Ving Tsun, dentre tantas coisas, se diferencia pelo seu processo de transmissão chamado de “Vida-Kung Fu”. Um processo passado através das sucessivas gerações do Ving Tsun, que permite ao praticante traduzir com mais facilidade as experiências marciais vividas, para seu cotidiano. - “...Espera-se que numa situação de combate estejamos em guarda e atentos. Porém, tendemos a ficar desatentos quando em situações simples do dia a dia...” - Comenta o mentor dos três autores da obra, Grão-Mestre Leo Imamura.

Three of the greatest Ving Tsun Kung Fu Masters in the world, begin to release this October, a 9 volume collection talking about the fundamentals of Kung Fu!
Motivated by sharing their knowledge of three decades in martial arts, with readers from all over Brazil. Senior Masters Julio Camacho, Ricardo Queiroz and Ursula Lima join together in an unprecedented project on the subject.
All three Senior Masters are descendants of the Moy Yat Lineage in Brazil, under the tutelage of Grand Master Leo Imamura. This Lineage of Ving Tsun, among so many things, is distinguished by its transmission process called “Kung Fu-Life”. A process passed through successive generations of Ving Tsun, which allows the practitioner to more easily translate the martial experiences lived into their daily lives. - “...It is expected that in a combat situation we are on guard and attentive. However, we tend to be inattentive when in simple everyday situations...” - Commented the mentor of the three authors of the book, Grand Master Leo Imamura.

Muitas pessoas entendem o termo “Kung Fu”, como nome de uma arte marcial chinesa, devido ao que o cinema apresentou desde a década de '70. Porém, este termo está relacionado a dedicação contínua, que acumula potencial e nos favorece a habilidade de nos expressarmos. Por isso, o Vol.1 desta coleção com o tema “Marcialidade”, mostra a que veio bem antes que você comece a ler. Toda programação visual mostra uma precisão em cada escolha que o compõe e o arranjo destas. Isso remete diretamente a um dos grandes diferenciais desta publicação: Permitir que o leitor que não tem contato com o mundo marcial, possa não através de fotos de técnicas, mas de pontuações muito bem elaboradas de cada um dos três Mestres Seniores.  Compreender como a marcialidade pode ser expressada em nosso dia a dia não só nas grandes coisas, mas na precisão e assertividade dos pequenos detalhes, por exemplo. 

Many people understand the term “Kung Fu” as the name of a Chinese martial art, due to what cinema has presented since the '70s. However, this term is related to continuous dedication, which accumulates potential and gives us the ability to express ourselves. Therefore, Vol.1 of this collection with the theme “Martiality”, shows what came well before you start reading. All visual programming shows precision in each choice that composes it and their arrangement. This refers directly to one of the great differentials of this publication: Allowing the reader who has no contact with the martial world, not through photos of techniques, but through very well-prepared scores from each of the three Senior Masters. Understand how martial art can be expressed in our daily lives not only in big things, but in the precision and assertiveness of small details, for example.

Os próximos volumes vão tratar de temas bem especiais como “Cuidado”, “Transmissão” , “Vida-Kung Fu”, “Família Kung Fu” e “Sistema Kung Fu”. Os temas dos dois últimos volumes ainda não foram divulgados pelos autores. 

The next volumes will deal with very special themes such as “Care”, “Transmission”, “Kung Fu-Life”, “Kung Fu Family” and “Kung Fu System”. The themes of the last two volumes have not yet been released by the authors.

O volume 1 vai tratar sobre “Marcialidade”, de uma maneira bem diferente de tudo que já foi feito. Os três Mestres Seniores, elencaram três de seus alunos. Estes, os entrevistaram com perguntas referentes a este tema. Como um dos autores é o meu Mestre Julio Camacho, tive a honra e o privilégio de ser escolhido por ele, dentre suas centenas de alunos a fim de entrevistá-lo. Na imagem acima, vemos que fiz referencia a uma fala atribuída a Bruce Lee. A partir da minha pergunta, por exemplo, cada um dos Mestres Seniores, expuseram seus pontos de vista. 
Este formato abre portas para uma leitura bem diferente da habitual, tendo em vista que o leitor poderá apreciar conceitos sobre “marcialidade” ajustados a cada pergunta, pelas palavras de três experientes e distintos Mestres de Kung Fu.

Volume 1 will deal with “Martiality”, in a way that is very different from anything that has already been done. The three Senior Masters listed three of their students. These interviewed them with questions regarding this topic. As one of the authors is my Master Julio Camacho, I had the honor and privilege of being chosen by him, among his hundreds of students, in order to interview him. In the image above, we see that I made reference to a speech attributed to Bruce Lee. From my question, for example, each of the Senior Masters, expounded their points of view.
This format opens doors for a reading quite different from the usual one, considering that the reader will be able to appreciate concepts about “martiality” adjusted to each question, through the words of three experienced and distinguished Kung Fu Masters.

O primeiro volume desta imperdível coleção, será lançado no próximo dia 31 de Outubro de 2021 no Copacabana Mar Hotel. Para participar ou buscar informações a respeito de como adquirir o livro. Voce pode fazer contato diretamente comigo através do whatsapp - [21] 967251994.

The first volume of this unmissable collection will be launched on October 31, 2021 at Copacabana Mar Hotel. To participate or seek information on how to purchase the book. You can contact me directly through whatsapp -  +55 21 967251994.







 






sexta-feira, 15 de outubro de 2021

THE “CHAM KIU” AND I .

[Encontro com Si Hing Cledimilson para matar a saudade]
[Drinking some beer with Si Hing Cledimilson after a long time]

Rio de Janeiro, 20 anos atrás...

Quando tinha dezesseis anos, eu frequentava o Mo Gun usando minha bicicleta preta. Meu amigo Rafael Azevedo havia me dado um Discman de presente, e eu colocava ele na minha mochila. O desafio era correr com a bicicleta o máximo que pudesse, sem deixar a música pular. Eu tinha alguns CD´s de trilhas sonoras de Animes que comprava em eventos, e ouvia enquanto corria com ela saindo do bairro do Pechincha até o Tanque, onde o Mo Gun ficava. Acontece que toda aquela adrenalina se esvaia assim que a prática começava. Eu simplesmente havia “resistido bravamente” ao “Siu Nim Tau” e agora lá estava eu fazendo o “Cham Kiu”. Eu achava tudo muito parado, não entendia o Chi Sau, ninguém me dizia muita coisa, as práticas eram quase que em silencio. Finalmente, Si Fu colocou uma caixa de sugestões na entrada do Mo Gun - “Precisa ter mais luta”- Foi o que eu escrevi. Mais tarde, descobri que a única sugestão havia sido a minha, e por conta da minha letra de criança, fui rapidamente descoberto. Eu então comecei a faltar por dois meses. Literalmente, eu chegava até a porta do Mo Gun com minha bicicleta preta e discman, olhava... Pensava...E ia embora... Minha mãe então perdeu a paciência e já não queria mais pagar a mensalidade. Si Suk Ursula marcou uma reunião com ela, eu e o Si Fu. Si Fu preocupava-se apenas com uma coisa: “Você ainda tem interesse em praticar?”- Ele me perguntou olhando diretamente em meus olhos, basicamente ignorando minha mãe. Eu disse que sim, mas não sabia como a experiência poderia ser diferente de antes. É que eu mal sabia, que um homem mudaria minha trajetória a partir dali...

Rio de Janeiro, 20 years ago...


When I was sixteen years old, I used to go to Mo Gun on my black bike. My friend Rafael Azevedo had given me a Discman as a gift, and I put it in my backpack. The challenge was to ride the bike as much as possible without letting the music jump. I had some CDs of Anime soundtracks that I bought at events, and I listened to them as I ride the bike from the Pechincha neighborhood to the Tanque, where Mo Gun was located. It turns out that all that adrenaline drains as soon as the practice begins. I had simply "bravely resisted" the "Siu Nim Tau" and now here I was doing "Cham Kiu". I thought everything was very still, I didn't understand Chi Sau, nobody told me much, the practices were almost silent. Finally, Si Fu put a suggestion box at Mo Gun's entrance - "We need to have more combat practices" - That's what I wrote. Later, I found out that the only suggestion was mine, and because of my childish handwriting, I was quickly discovered. I then started skipping classes for two months. Literally, I would come to the door of Mo Gun with my black bike and discman, look the stairs... I would think... And leave... My mother then lost patience and no longer wanted to pay the monthly fee. Si Suk Ursula arranged a meeting with her, me and Si Fu. Si Fu was only concerned with one thing: "Are you still interested in practicing?"- He asked me looking directly into my eyes, basically ignoring my mother. I said yes, but I didn't know how the experience could be any different from before. It's just that I barely knew, that a man would change my trajectory from there...

[Aula remota de Cham Kiu com Si Fu via ZOOM]
[Remote class with Si Fu about Cham Kiu]

Rio de Janeiro, dias de hoje. 

Vinte anos haviam se passado dos dias de grandes aventuras do Domínio “Cham Kiu” e das idas ao Mo Gun com minha bicicleta e Discman. Estávamos num encontro remoto com Si Fu via ZOOM, e eu observava ele falar do “Cham Kiu”. Si Fu levantou-se e fez questão de mostrar aos praticantes deste nível, a ideia de distribuir o peso adequadamente. Porém, ao observar o Si Fu falando, cheguei a me emocionar em certo momento. Si Fu mais do que distribuir o peso antes de girar o “Ma” na primeira parte da sequencia, mostrava como criava tendências gerando o vazio a ser preenchido pelo giro. Observando ele fazer aquilo com o corpo, pude apreciar do que se trata ser um Mestre: Cada ação expressa quem você é e como você pensa. Por muitas vezes discordei da maneira que o Si Fu estava gerenciando as atividades no então Núcleo Barra, e ele acreditava no “vazio” que estava deixando para ser preenchido. Estávamos em 2015, mas vendo hoje a união da Família Moy Jo Lei Ou em torno de nomes impensáveis naquela época como Claudio e Maria Alice, fiquei muito tocado vendo o Si Fu fazer o mesmo enquanto mostrava o “Cham Kiu”, com seu próprio corpo.

Rio de Janeiro, nowadays

Twenty years had passed from the days of the high adventures of the Domain “Cham Kiu” and going to Mo Gun with my bike and Discman. We were on a remote meeting with Si Fu via ZOOM, and I watched him talk about “Cham Kiu”. Si Fu stood up and made a point of showing practitioners of this level the idea of ​​distributing the weight properly. However, watching Si Fu speaking, I got emotional at one point. Si Fu, more than distributing the weight before turning the “Ma” in the first part of the form, showed how it created trends generating the void to be filled by the turn. Watching him do that with his body, I could appreciate what being a Master is all about: Every action expresses who you are and how you think. I often disagreed with the way Si Fu was managing the activities at the then MYVT Barra School, and he believed in the “emptyness” he was leaving to be filled. We were in 2015, but seeing today the union of the Moy Jo Lei  Ou Family around unthinkable names at that time like Claudio and Maria Alice, I was very touched seeing Si Fu do the same while showing “Cham Kiu”, with his very own body.

[O emcoionante dia que Si Hing Cledimilson retornou a prática]
[The great day when Si Hing Cledimilson returned to practice]

Rio de Janeiro, 20 anos atrás...

Si Hing Cledimilson era um cara que eu só havia visto nas fotos do painel de membros do Mo Gun. Misteriosamente um dia ele estava lá para me receber para me dar minha sessão de “Cham Kiu”... E assim nas semanas seguintes. Ele era um cara grande e com um jeito de “casca-grossa”, eu era um moleque magro e com o rosto fundo. Ele mantinha um semblante sério, e quando começamos a praticar, tudo se transformou. De fato, me emociona neste momento escrever essas linhas, todas as imagens daqueles dias vem facilmente em minha memória. Só ficávamos nós dois naquele horário da noite de algum dia da semana entre 2001 e 2002, o Si Hing “brincava” comigo e eu nada podia fazer. Quando ele golpeava, eu sentia uma dor seca... Não dá pra descrever a sensação de levar um golpe bem encaixado... Quando eu golpeava com aquelas minhas mãozinhas, ele ria [quase caçoando] enquanto rolavámos os braços e me instigava: “Pode golpear forte! Sei que você gosta de golpear forte!” - Eu então ria involuntariamente, depois forçava as sombrancelhas me concentrando para acertá-lo com mais força. Meus golpes eram anulados quando tocavam seu torax. Com qualquer outra pessoa, eu teria ficado bem chateado  em não estar conseguindo fazer o que queria, mas com o Si Hing Cledimilson isso não acontecia. Fui tocado pelo seu carisma, e com isso, nunca mais faltei as práticas do “Cham Kiu”, chegando aos dezoitos anos [dois anos depois do início do Cham Kiu] ao Domínio “Biu Ji”. Nada do que aconteceu depois, teria sido possível sem ele....

Rio de Janeiro, 20 years ago...

Si Hing Cledimilson was a guy I had only seen in the Mo Gun member panel photos. Mysteriously one day he was there to welcome me to give me my “Cham Kiu” session… And so on for the next few weeks. He was a big guy with a “badass” look, I was a skinny kid with a deep face. He kept a serious face, and when we started practicing, everything changed. In fact, it moves me right now to write these lines, all the images from those days come easily into my memory. We were just the two of us at that time of night someday of the week between 2001 and 2002, Si Hing “played” with me and I couldn't do anything. When he hit me, I felt a dry pain... I can't describe the feeling of taking a well-done punched... When I hit with those little hands of mine, he laughed [almost mocking] as we rolled our arms and urged me on: “ You can punch harder! I know you like to punch harder than that!" - I laughed involuntarily then, then forced my eyebrows concentrating to punch him harder. My punches were canceled when they touched his chest. With anyone else, I would have been pretty upset that I couldn't do what I wanted, but with Si Hing Cledimilson that didn't happen. I was touched by his charisma, and with that, I never missed the “Cham Kiu” practices again, reaching the age of eighteen [two years after the beginning of Cham Kiu] to the “Biu Ji” Domain. Nothing that happened after would have been possible without him....

[Eu, Si Hing Cledimilson, Si Hing Leo e Si Fu]
[Si Hing Cledimilson, Si Hing Leo , Si Fu and I]

Rio de Janeiro, dias de hoje.

Ao observar Si Fu ontem executando o “Cham Kiu” vinte anos depois de quando comecei a aprende-lo e quase desisti, percebi que o “vazio” que me havia sido oferecido naqueles tempos, era demais para mim. E pude entender a importância do que Si Fu diz - “É só ficar junto!” - Pois se naquele momento, naquela reunião com ele e minha mãe eu tivesse respondido que não queria mais praticar. Como as coisas teriam sido ? Difícil saber. 
Vendo Si Fu fazer o Cham Kiu ontem, entendi a importância da “espera estratégica”, tão importante neste Domínio do Sistema Ving Tsun. Nem tudo, caberá a nós resolver. Muitas das vezes, precisaremos ter a determinação suficiente para criar a tendencia, que vai gerar o vazio e esperar que ele mesmo se preencha a seu tempo... 
Sobre o Si Hing Cledimilson, nunca sabemos de fato o quanto alguém nos marcou. Ele parecia aguentar todos os golpes. Seguindo seu exemplo, tento fazer o mesmo até hoje. 

Rio de Janeiro, nowadays.

Watching Si Fu yesterday performing “Cham Kiu” twenty years after I started to learn it and almost gave up, I realized that the “emptiness” that had been offered to me in those times was too much for me. And I could understand the importance of what Si Fu says - "Just stay together!" - Well, if at that moment, in that meeting with him and my mother, I had replied that I no longer wanted to practice. How would things have been? Hard to know.
Watching Si Fu do Cham Kiu yesterday, I understood the importance of “strategic waiting”, so important in this Domain of the Ving Tsun System. Not everything will be up to us to solve. Often, we will need to have enough determination to create the trend, which will generate the void and wait so it fills itself in time...
About Si Hing Cledimilson, we never really know how much someone has marked us. He seemed to take every hit and be cool with that. Following his example, I try to do the same to this day.



THE DISCIPLE OF MASTER JULIO CAMACHO
Thiago Pereira “Moy Fat Lei”
moyfatlei.myvt@gmail.com


 

quarta-feira, 6 de outubro de 2021

Master Class: The tune between Si Fu and Carlos Antunes

 

Alguns anos atrás voltei para casa com a frase que meu Si Fu acabara de me dizer: “A vida pode ser leve, Pereira”. - Aquela frase veio em um momento onde era impossível acreditar em leveza, com tudo o que estava se passando. Era o final de 2017, e muitas coisas não iam bem. Acontece que poucos meses atrás, conversando com meu irmão Kung Fu Carlos Antunes. Pude ouvir dele [num linguajar mais íntimo devido a nossa relação], sobre um determinado assunto que eu trouxera para a conversa :“Si Hing, eu posso não ser bom com as facas na mão, mas uma coisa eu sei fazer com relação a vida:' Eu corto logo, meu irmão! Eu não arrasto essas correntes igual você não, eu corto logo! Uma 'parada' que você não vai me ver, é arrastando corrente. Isso eu entendi do 'Do' !' ” - Ao ouvir aquilo, lembrei-me da fala  do Si Fu. Percebi que “seguir junto” é algo bem profundo. Você pode estar seguindo junto de alguém, mas não totalmente. Pois lá estava eu, anos depois, ainda sem conseguir deixar “a vida leve”. E meu irmão Kung Fu mais novo, que usualmente brinca com sua dita [por ele mesmo] falta de habilidade. Com mais uma atitude completamente sintonizada com a de nosso Si Fu, ainda que nunca tivesse escutado a frase que eu ouvi, mas que por uma outra via, chegara a mesma conclusão.

A few years ago I returned home with the phrase my Si Fu had just told me: “Life can be light, Pereira”. - That sentence came at a time when it was impossible to believe in lightness, with everything that was going on. It was the end of 2017, and a lot of things weren't going well. It turns out a few months ago talking to my Kung Fu brother Carlos Antunes. I could hear from him [in a more intimate language due to our relationship], about a certain subject I had brought to the conversation: “Si Hing, I may not be good with knives in my hand, but one thing I know how to do about life :' I just cut soon, my brother! I don't drag these chains like you do, I'll cut right away! Something that you won't see me, is dragging heavy chains from the past. This I understood from 'Do'!' ” - Upon hearing that, I remembered the speech of that speech of Si Fu. I realized that “following along” is something very profound. You may be following along with someone, but not fully. Well, there I was, years later, still unable to let “life lighter”. And my younger Kung Fu brother, who usually jokes about his so-called [by himself] lack of skill. With another attitude completely in tune with that of our Si Fu, even though he had never heard the phrase I heard, but in another way, He had reached the same conclusion.


Na “Aula Master” de ontem, Si Fu começou falando da importância de uma atitude que permita ao artista, finalizar o movimento. - “Eu desenho olhos tortos igual ao Picasso, mas ele sabe colocá-los no lugar, e por isso mesmo ele transcendeu isso.” - Brincou ele. Si Fu enfatizou a importância da lamina em promover o corte, pois muitas vezes o movimento vazio com as facas que não vão até o final, não promovem isso. Da sala de seu apartamento nos EUA, ele deu alguns exemplos do dia a dia. De maneira por vezes anedótica, ele insinuou sobre situações em que não finalizamos o que nos propusemos a começar. 

In yesterday's “Master Class”, Si Fu started talking about the importance of an attitude that allows the artist to finish the movement. - "I draw crooked eyes like Picasso, but he knows how to put them in place, and that's why he transcended it." - He joked. Si Fu emphasized the importance of the blade in promoting the cut, as often the empty movement with knives that do not go all the way to the end does not promote this. From the living room of his US apartment, he gave some everyday examples. Sometimes anecdotal, he hinted at situations where we don't finish what we set out to start.


Você já parou pra pensar :“Ei cara, por que isso está acontecendo comigo?” - Eu já. E muitas vezes. É mais fácil quando um acontecimento parece vindo de lugar algum, pois assim você pode pensar em algum complô do universo contra você.  Se por acaso um acontecimento tiver se dado por uma ação clara de sua parte, talvez o processo de arrependimento seja mais doloroso. São as tais “correntes” que meu irmão Kung Fu Carlos Antunes não “arrasta”. 
E talvez tenha sido a soma de todos estes e outros momentos, que ao comentar com Si Fu sobre um determinado ponto sobre a movimentação que ele estava fazendo, fiz uma menção de como aquele conceito poderia nos ajudar a elucidar movimentos em Domínios anteriores do Sistema. E dentre outras coisas ele disse:“...Por isso, que não avançamos no Sistema porque ficamos bons. Ficamos bons, porque avançamos no Sistema...”. 

Have you ever stopped to think, "Hey man, why is this happening to me?" - I already did. And many times. It's easier when an event seems to come from nowhere, so you can think of some plot by the universe against you. If by chance an event has come about through clear action on your part, perhaps the process of regret is more painful. These are the “chains” that my Kung Fu brother Carlos Antunes doesn't “drag”.
And maybe it was the sum of all these and other moments, that when commenting with Si Fu about a certain point about the movement he was making, I mentioned how that concept could help us to elucidate movements in previous Domains of the System. And among other things he said: “…That's why we didn't advance in the System because we became skilled. We became skilled because we advance in the System...”.

Voltei para casa num vagão de metro quase vazio, minha roupa estava molhada por causa da chuva e nos meus headphones tocava :“Rachel´s song” do Vangelis. Eu estava sentado vendo minha imagem no reflexo da janela do lado oposto. De repente, minha mente voltou-se novamente para as reflexões que tive durante a aula master com Si Fu e as conversas com Carlos Antunes. Foi aí que me lembrei, que Carlos Antunes sempre exagera em sua autocrítica a respeito da sua habilidade como praticante de Ving Tsun, e do quanto sua experiência no :“Maai San Jong”[Último componente do Domínio Mui Fa Jong] em 2011 ou 2012, foi traumática para ele. Dez anos antes, quando pratiquei “Maai San Jong” pela primeira vez, minha atitude era diferente: Eu preferia entrar com tudo. - :“Posso até me machucar, mas vou acertar ele” 
Ainda sentado vendo meu reflexo na janela do vagão, percebi que hoje aguento carregar muito mais coisa e levar muito mais “porrada” do que com dezoito anos de idade praticando Maai San Jong. O que não significa que tenha que passar por isso. Por outro lado, ao avançar até o último Domínio do Sistema, Carlos Antunes desenvolveu essa habilidade de não “arrastar correntes” cortando, como se corta com as facas. Eu por outro lado, segui “entrando com tudo”, como fazia no Maai San Jong em 2002. E por isso, talvez a vida não seja tão leve para mim. Falta sintonia com o Si Fu. Coração com coração, é mais importante do que braço contra braço.

I returned home in an almost empty subway car, my clothes were wet because of the rain and my headphones was playing: “Rachel's song” by Vangelis. I was sitting watching my image in the reflection of the opposite window. Suddenly, my mind turned again to the reflections I had during the master class with Si Fu and the conversations with Carlos Antunes. That's when I remembered that Carlos Antunes always exaggerates his self-criticism regarding his ability as a Ving Tsun practitioner, and how much his experience in :“Maai San Jong”[Last component of the Mui Fa Jong Domain] in 2011 or 2012 , it was traumatic for him. Ten years earlier, when I practiced “Maai San Jong” for the first time, my attitude was different: I preferred to go in with everything. - :"I might get hurt, but I'll hit him"
Still sitting watching my reflection in the car window, I realized that today I can handle carrying a lot more stuff and getting hit[in life] with a lot more than when I was eighteen years old practicing Maai San Jong. Which doesn't mean I have to go through it. On the other hand, when advancing to the last Domain of the System, Carlos Antunes developed this ability to not “drag chains from the past” by cutting, as one cuts with knives. I, on the other hand, continued to “go full in” as I did at Maai San Jong in 2002. And that's why maybe life isn't so light for me. There is no tuning with Si Fu. Heart with heart is better than fist against fist.. 


The Disciple of Master Julio Camacho
Thiago Pereira “Moy Fat Lei”
moyfatlei.myvt@gmail.com

terça-feira, 28 de setembro de 2021

KUNG FU FAMILY AT MYVT IPANEMA SCHOOL ON SATURDAYS

Eu comecei a participar das práticas coletivas, quando as mesmas eram coordenadas pelo Si Suk André Cardoso. Ele sempre me pareceu o praticante perfeito: Habilidoso, carismático e inteligente. - Esses eram o início dos anos 2000, e quando chegamos no ano de 2008, me vi sozinho coordenando uma prática coletiva com contemporâneos meus. Cada vez que saia do trabalho para ir até o Núcleo Barra as Quartas coordenar essa turma, era um grande desafio interno.... Mesmo já sendo praticante de Ving Tsun por nove anos, não me achava a altura do desafio, e talvez não estivesse mesmo. Porém, lembro-me da fala de Si Fu a esse respeito sobre mim: “Thiago, você não está lá para ser melhor do que ninguém. Você está lá, para ajudar a pessoa a ficar melhor do que estava quando chegou...” 
Enquanto observava o grupo fazendo práticas distintas no Núcleo Ipanema numa manhã de Sábado[FOTO ACIMA], esses tempos de altas aventuras, me ocorreram. - “O que mudou?” - Me perguntei. Percebi que não fiquei tão carismático, habilidoso ou inteligente quanto Si Suk André... Mas talvez, nunca tenha sido a respeito dele. Talvez, a  impressão que as pessoas tinham do contato com ele, que tornasse ele próprio tão especial.

I started to participate in collective practices, when they were coordinated by Si Suk André Cardoso. He always seemed to me the perfect practitioner: Skillful, charismatic and intelligent. - Those were the beginning of the 2000s, and when we arrived in 2008, I found myself alone coordinating a collective practice with my contemporaries. Every time I leave work to go to MYVT Barra School on Wednesday to coordinate this group, it was a great internal challenge.... Even though I've been a Ving Tsun practitioner for nine years, I didn't think I was up to the challenge, and maybe I wasn't. However, I remember Si Fu's words about me in this regard: “Thiago, you are not there to be better than anyone else. You are there, to help the person get better than when he arrived..."
As I watched the group doing different practices at the MYVT Ipanema School on a Saturday morning [PHOTO ABOVE], these times of high adventures occurred to me. - "What has changed?" - I wondered. I realized that I wasn't as charismatic, skillful or intelligent as Si Suk André... But maybe, it was never about him. Perhaps it was the impression that people had of contact with him that made him so special.

Cheguei mais cedo com meus irmãos Kung Fu Rodrigo Moreira e Lucas Eustáquio. Além deles, meu To Dai Luiz Henriques e Alexandre também estiveram presentes[FOTO]. Sobre isso, quando eu era mais um no meio de um grupo que visitava um Mo Gun qualquer ou participava de algum evento de integração. Eu simplesmente tinha a escolha de me esconder entre os presentes, e isso de alguma maneira me desligava em alguns momentos do “Todo”. Porém, sendo o centro de um grupo, você precisa aprender a relaxar mesmo precisando estar “ligado” o tempo todo. Porque conectar com cada um de um grupo, não é uma tarefa fácil, mas é muito recompensador quando você percebe que tocou a pessoa de alguma maneira.

I arrived earlier with my Kung Fu brothers Rodrigo Moreira and Lucas Eustáquio. Besides them, my To Dai Luiz Henriques and Alexandre were also present [PHOTO]. About that, when I was one more in the middle of a group that visited any Mo Gun or participated in some integration event. I simply had the choice to hide myself among those present, and that somehow turned me off at times from the “Whole”. However, being the center of a group, you need to learn to relax even though you need to be “on” all the time. Because connecting with each of a group is not an easy task, but it is very rewarding when you realize that you have touched the person in some way.
Naquela manhã, tivemos muitas práticas simultâneas, sendo que duas delas me tocaram mais. A primeira, foi quando pedi ao meu irmão Kung Fu Rodrigo[FOTO] para auxiliar a Maria Alice[FOTO] que acabara de ter acesso ao Domínio Mui Fa Jong. 
Chamamos de membro graduado, aquele que alcança tal nível, e lembrar disso nem sempre é simples. Precisamos proteger o praticante de nosso grande desejo de “ajudá-lo”. - “Você precisa estar atento a pessoa, mas ela não precisa saber disso.” - Disse-me certa vez Si Fu. E foi o que tentei fazer e que pedi ao Rodrigo para que tentasse também. Pois o desejo de “esclarecer” um ponto ou outro para a Alice era muito grande. Nesses momentos, vejo o quão especial foi o trabalho feito comigo. As vezes saia do Mo Gun bem chateado por achar que não estava me desenvolvendo, pois não entendia que parte da responsabilidade de aprender era minha. Perseverei por sorte até que entendesse isso. 

That morning, we had many simultaneous practices, two of which touched me the most. The first was when I asked my Kung Fu brother Rodrigo[PHOTO] to help Maria Alice[PHOTO] who had just gained access to the Mui Fa Jong Domain.
We call a graduate member, one who reaches that level, and remembering this is not always simple. We need to protect the practitioner from our big desire to "help" him. - "You need to be aware of the person, but he doesn't need to know that." - Si Fu told me once. And that's what I tried to do and I asked Rodrigo to try too. Because the desire to "clarify" one point or another to Alice was very big. In these moments, I see how special the work done with me was. Sometimes I used to leave Mo Gun very upset because I didn't think I was developing, because I didn't understand that part of the responsibility for learning was mine. Luckily I persevered until I understood this.

Outra prática que me tocou, foi a com o Lucas Eustáquio[FOTO]. Lucas começou comigo quando tinha acabado de completar 12 anos de idade. Não tínhamos nem Mo Gun, funcionávamos dentro de uma Escola de Dança. Agora, Lucas tem quase vinte e seis anos de idade. E nessa manhã, senti que ele se aproximou mais do restante da Família Kung Fu. Lucas, assim como eu, já tem mais tempo de vida como membro da Família Kung Fu do que fora dela. Por isso, me senti feliz em vê-lo ali com todos os demais. 

Another practice that touched me was with Lucas Eustáquio [PHOTO]. Lucas started with me when he was just 12 years old. We didn't even have Mo Gun, we operated inside a Dance School. Lucas is now nearly twenty-six years old. And that morning, I felt that he got closer to the rest of the Kung Fu Family. Lucas, like me, has lived longer as a member of the Kung Fu Family than outside of it. So I was happy to see him there with everyone else.
Naquela manhã ainda tivemos o que chamamos de “Hoi Kuen”, do Fernando e do Simão. Com isso, eles iniciaram sua jornada dentro do Sistema Ving Tsun ao ter acesso ao Domínio Siu Nim Tau. Esse movimento deu tão certo, que na semana seguinte, Gerson passou pelo mesmo procedimento e reunimos mais uma vez um grupo considerável para uma manhã bem divertida. 
Sentado a mesa, pude ficar mais quieto enquanto Claudio e Alice conduziam as conversas. Fiquei em silencio na maior parte do tempo, como geralmente prefiro. E fiquei pensando que num momento mais amadurecido, parece-me fazer mais sentido uma Família Kung Fu funcionar melhor com pessoas em sintonia, do que depender das características individuais de um ou mais praticantes. 

That morning we still had what we call “Hoi Kuen”, of Fernando and Simão. With that, they started their journey within the Ving Tsun System by gaining access to the Siu Nim Tau Domain. This move worked so well that the following week, Gerson went through the same procedure and we once again gathered a considerable group for a very fun morning.
Sitting at the table, I could be quieter while Claudio and Alice led the conversations. I was mostly silent, as I usually prefer. And I was thinking that in a more mature moment. It makes more sense for a Kung Fu Family to work better with people in tune than depending on the individual characteristics of one or more practitioners.


The Disciple of Master Julio Camacho
Thiago Pereira “Moy Fat Lei”
moyfatlei.myvt@gmail.com